sábado, 15 de março de 2014

Atitude Estudantil - Parte 1

 Para você que acompanha este blog, já deve ter reparado quantos assuntos já foram abordados aqui. Nós já conversamos sobre tipos de escolas; mensagens institucionais; tipos de uniformes, material escolar ...ufa!, já dissemos muita coisa aqui! Ainda não conversamos sobre a atitude dos nossos estudantes, certo? Nessa série, discutiremos diversos assuntos, entre eles o que eles querem, como lidar com suas distrações, como usar seus saberes prévios de forma pertinente e adequada às atividades em sala de aula, entre outras coisinhas.
 Nesta primeira parte, que tal conversarmos sobre uma constatação que a maioria já chegou a fazer, mesmo que uma vez apenas na vida: adolescentes não dão importância aos estudos. Será? 
  Vejamos dois dados sobre o desenvolvimento humano e depois responderemos à essa pergunta: a) segundo estudos médicos e biológicos sobre o desenvolvimento e evolução humana, o adolescente é um indivíduo cuja percepção está em expansão geométrica, enquanto seus conhecimentos formais estão em expansão aritmética, ou seja, enquanto seus sentidos, sentimentos e a vida ao seu redor estão borbulhando, a escola está em banho - maria. Há tantas coisas mais interessantes que a escola para se fazer, tantas coisas mais importantes para se dedicar. 
b) segundo os mesmos estudos, apesar da capacidade de dedicar atenção ser maior que a de uma criança, sua atenção é seletiva, pois somente tem interesse em ações que lhe darão resultados prazerosos imediatamente ( pensamento de apostador). Namorar, dormir, ir ao baile, comer batata frita, tudo isso entra neste requisito, mas estudar álgebra na segunda - feira de manhã é uma das coisas que estão fora da lista.
 Seu estudante não é muito melhor que o seu provedor de e - mail: se vc não levantar uma bandeirinha dizendo que aquilo é importante naquele minuto, ele não apenas vai ignorar, como ainda vai ter coragem de dizer que você sequer deu aquela matéria. Isso quando a informação não vai direto para a pasta de Spam.

 A escola é um investimento a longuíssimo prazo, eles não têm tanto tempo assim!  
Se você não relacionar o seu conteúdo atual a um prêmio ( resultado prazeroso imediato) e o quanto ele é útil para se entender as matérias x, y e z, que abrirão a oportunidade de terem um prêmio maior que o atual, dificilmente terá seu interesse e entusiasmo, mesmo sendo sua matéria a mais fácil do currículo inteiro. Mentalidade de videogame é imprescindível para que se obtenha sucesso. 
 Caso não esteja familiarizado com tal mentalidade, é o seguinte: há etapas onde se realizam tarefas de diferentes graus de complexidade, normalmente variando entre fácil, moderado e difícil, mas, não tão difícil a ponto de ser impossível passar de uma etapa para a outra. Ao final de cada etapa, há uma pontuação e /ou premiação menor, que, vai se acumulando até chegar à etapa final, onde se conhece o grande vencedor do jogo.Isso não significa que deva sair distribuindo brindes como se fosse o próprio Papai Noel, por favor, longe disso, apenas que use tal mentalidade holística para engajar seus aprendizes e facilitar sua vida.

sábado, 8 de março de 2014

Material Escolar - Parte 3

 Na última postagem de nossa curta série, nossa prosa será sobre o que vale ter dentro de uma mochila estudantil e o que não vale. Pois bem, conforme as duas partes anteriores de nossa série, destacamos que transforma o estudante em burro de carga não vale, mesmo que o esteja treinando para se tornar um mochileiro. Por este motivo, é bom estar atento sobre o que é e o que não é interessante de se ter numa mochila.

É bacana:

  • Ter nada além do absolutamente necessário;
  • Ter o material do dia;
  • Ter o mínimo necessário para o cumprimento das tarefas;
  • Ter uma mochila nem grande demais, nem pequena demais,
  • Que o peso total do material + peso da própria mochila nunca ultrapasse 10% do peso total do indivíduo que a carrega, ou seja, se a pessoa (estudante, não os pais) pesa 40 quilos, logo, todo o material escolar não deve ultrapassar a marca dos 4 quilos.

Não é bacana:


  • Carregar a casa inteira nas costas;
  • Ter todo o material da semana na mochila (corre o risco de amassar, sujar, rasgar, perder, entre outras possibilidades);
  • Ter uma mochila grande demais, ou pequena demais,
  • Ter uma mochila pesada demais.

 Isso é tudo, pessoal! Nos vemos na semana que vem! Até lá!

sábado, 1 de março de 2014

Material Escolar - Parte 2

  Olá! Na semana passada, combinamos que conversaríamos sobre certos abusos cometidos pela escola, pais e pelos próprios estudantes quando se trata de material escolar, lembra? Pois é, já comentamos sobre uma prática abusiva das escolas em relação à isso na semana passada: a de pedir materiais que deveriam ser comprados pela escola, não pelo estudante.

 Se a escola exige que todo o material seja levado cotidianamente às aulas, como no caso de escolas de tempo integral, logo, a mesma deve fornecer armários para os estudantes, e não fazê - o de burro de carga, prejudicando o desenvolvimento de seu esqueleto por peso excessivo.

Uma coisa que os pais amam fazer, mas não imaginam o mal que gera: comprar material para fazer estoque. Gente, isso desencadeia duas ações separadas: a) início de ano + preço alto de material escolar (devido as leis de mercado [procura maior que oferta = inflação por especulação]) + essa ideia de gênio que você acabou de ter (estocar para economizar) = você de bolso vazio mais rápido, e b) uma coisa que a maioria dos estudantes fazem e faz você subir pelas paredes: desperdiçam. Ou seja, na lista pede quatro cadernos e você compra dezesseis, seu amado filho vai, sem qualquer cerimônia, arrancar as folhas do caderno pra fazer bolinha de papel, aviãozinho, cartinha de amor, qualquer coisa, menos estudar! E quando você for lhe dar aquela chamada, ele, com a maior simplicidade vai responder: ' tem mais em casa!'.

Outra coisa que estudantes amam fazer: escolher o material mais caro, mais dentro da moda, mais exclusivo, para contar vantagem na escola. Pais, não caiam nessa armadilha psicológica, mesmo sendo filho único. Se o caderno A custa R$ 5 e o caderno B custa R$ 48, 90 por que tem a estampa da moda, mas, tem o mesmo formato, número de páginas e repartições, por favor, de todas as maneiras, compre o caderno A. Não serão os piores pais do mundo por isso! A vida tem estado muito cara para se desperdiçar tanto assim, mesmo por que, estará dando um péssimo exemplo ao seu filho ao ceder às suas vontades.


sábado, 22 de fevereiro de 2014

Material escolar - Parte 1

Mal terminamos a primeira série do ano, já estamos começando a segunda! Que coisa boa, não? Nesta série, que, é bem curtinha, aliás, trataremos de um dos pesadelos dos pais dos nossos estudantes: o material escolar! Isso mesmo.
Toda escola tem o direito e dever de pedir  que os pais comprem o material escolar de seus filhos, não insumos de responsabilidade da escola. Portanto, uma resma de papel A4 não faz sentido de estar dentre a lista de compras de material  de seu filho de oito anos. Se ele utilizar 100 folhas durante o ano inteiro, será muito.

Mamães, Papais, todo mundo ama agradar o filhinho que está indo para a escola, comprar o lápis de cor da moda, a mochila do desenho favorito, tudo isso é ótimo. Mas, fazer o estudante carregar o material todo da escola todos os dias, ou fazê - lo usar aquele caderno incrível de 400 folhas, para não ter que comprar outro durante o ano é o mesmo que chamá - lo de burro de carga!  Entenderam? Não façam mais isso, combinado?

Na semana que vem, nossa prosa será sobre certos abusos cometidos tanto pela escola, quanto pelos pais e os próprios estudantes quando o assunto é o material escolar. Até lá!

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Uniforme Escolar - Parte 6

Conforme prometido na semana passada, falaremos hoje sobre feitios. Sim, modelos de uniformes escolares! Há modelos de todos os tipos, fabricados com inúmeros tecidos e malhas, mas, trataremos dos mais comuns, para que possa atingir ao maior número possível de pessoas. Por isso, foram selecionados quatro tipos de uniformes comumente encontrados de norte a sul deste país, e de outros também, chamados aqui de tipos A, B, C e D, conforme pode conferir abaixo:

 1) O tipo A é o que consiste de uma camisa de manga curta social e saia de tecido.

Uniforme que evoca a necessidade de uma boa aparência e apresentação pessoal, ainda muito utilisado em Cursos de Formação de Professores à Nível Técnico, ou, o bom e velho Magistério, assim como entre estudantes de escolas militares e de aplicação. Algumas variantes podem ser encontradas em escolas particulares, usando tecidos sintéticos e direcionado ao público infantil. 

 2) O tipo B é o que consiste de uma camiseta de manga curta e calça comprida.

Muito utilizado nas escolas públicas, pois tem a versatilidade, liberdade e conforto que o estudante necessita. Muito informal, se trata de uma camiseta de malha combinada com uma calça jeans ou de tecido sintético. Normalmente direcionado aos estudantes ginasiais, ou adolescentes mesmo, como preferir.

 3) O tipo C é o que consiste de uma camisa de manga curta social e calça comprida de tecido.

Utilizado largamente entre estudantes de escolas militares e de aplicação, bem como por estudantes de Magistério, segue a mesma linha do tipo A, porém, uma versão masculina do mesmo.

 4) O tipo D é o que consiste de uma camisa de manga longa social e calça comprida de tecido.

Muito usado pelos tipos A e C em situações solenes, pois é tido como uniforme de gala.

Aqui, não entramos em detalhes sobre golas, botões e zíperes, mas, caso tenha a curiosidade, tudo tem seu significado. Por isso, lhe convido a pesquisar sobre o assunto e postar nos comentários abaixo. Esta foi a última postagem desta série.  Obrigada pela companhia e por toda a troca de conhecimentos que fizemos ao longo desta conversa. Nos vemos na semana que vem!
 

sábado, 8 de fevereiro de 2014

Uniforme Escolar - Parte 5

Em nossa última conversa, eu prometi  que hoje nos dedicaríamos às texturas dos materiais usados para a fabricação dos uniformes escolares. Cá estamos nós! Bom,  como pode reparar, um uniforme escolar pode ser feito de qualquer material que se deseje, até de folha de bananeira!, entretanto, a textura dele está intrinsicamente ligada ao seu peso, aparência, manutenção e conforto ao vestir. O desconforto proveniente de uma má escolha pode atrapalhar muito ao estudante a se concentrar naquilo que realmente deve ser o foco de sua atenção: o estudo. 

Portanto, se faz necessário que o material escolhido seja leve, fresco e macio, ao invés de pesado, quente e duro. O peso deve ser medido de acordo com o peso, idade e altura de cada estudante, ou seja, se é um indivíduo de 22kg, 6 anos de idade e 1, 2 m de altura, devo supor que o máximo que este indvíduo deverá vestir, em dias de calor será um uniforme de malha 2.0, não mais que isso, ou seu equivalente em tecido.

Em nossa próxima e última postagem da série, conversaremos sobre os feitios dos uniformes e como estes comunicam o que cada escola pensa ser bom para seu estudante. Nos vemos lá!

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Uniforme Escolar - Parte 4

Na semana passada, conversamos sobre as características do uniforme escolar e como é importante saber o significado de cada cor, feitio, textura e como afeta a visão global da instituição à ele vinculada, bem como as pessoas e a mentalidade reinante dentre elas. Calma, ainda nao é um blog sobre moda!
Nesta semana veremos o que algumas cores mais comuns significam, afinal, elas representam mensagens, as quais devem ser levadas em consideração.

Branco: Tranquilidade; Limpeza, Ordem;

Azul: Constância; Comunicação; Calma, Paciência;

Verde: Equilíbrio; Comunicação; Verdade, Neutralidade;

Amarelo: Alegria; Inteligência, Resultados mais rápidos;

Vermelho: Coragem; Força, Determinação;

Cinza: Neutralidade, Equilíbrio,

Marrom: Trabalho duro, Constância, Resultados a longo prazo.

 De forma alguma esta lista é extensiva, tanto em relação às cores, quanto em seus significados, mas já á para ter uma boa noção sobre os valores e crenças de um determinado estabelecimento de ensino. Na próxima semana, falaremos sobre algumas texturas dos materiais com os quais se confecciona os uniformes.
Quais as cores de sua escola? O que a lista acima diz sobre elas? Na prática, a lista se aplica aos valores e crenças de sua escola?