domingo, 19 de agosto de 2012

O Segredo dos Brilhantes – Parte 2

Segundo o dicionário Priberam da Língua Portuguesa, Coragem é: (francês courage)
s. f.
1. Firmeza de ânimo ante o perigo, os reveses, os sofrimentos.
  1. [Figurado]  Constância, perseverança (com que se prossegue no que é difícil de conseguir).

Diferente de impulsividade, ou valentia é fazer exatamente aquilo que é necessário, quando é necessário e ninguém mais está disposto a fazer. Por exemplo, o policial, cujo trabalho consiste em manter a ordem e a segurança das outras pessoas, mesmo que isso o ponha em situações arriscadas.

Independentemente da atual situação da instituição policial, ou seja, seja ela tida como honesta e confiável ou não, a pessoa que se dispõe a sair de sua casa para proteger a você e eu, é, por definição, uma pessoa corajosa. Em nossa profissão, literalmente, está se tornando uma qualidade cada vez mais necessária, caso queiramos permanecer nela. Afinal, a cada dia que passa, mais se parece com a do policial: uma profissão de risco.

Às vezes, é preciso saber quando falar, como falar e quando calar. Infelizmente, tenho ouvido muito de alguns colegas relatos frequentes de quando calar, pois, caso contrário, as consequências podem ser desastrosas. Mas, até isso, pode ser um ato de coragem. Dependendo da situação, o silêncio pode ser a melhor resposta e a maior arma de alguém.

É imperativo que não confundamos o silêncio corajoso com a omissão covarde, pois, há uma grande diferença. Ser omisso pode ser pior que apontar uma arma a alguém. Pois, você sabe os fatos que levaram à situação que ocorre no momento, o papel de cada pessoa no problema, sabe as consequências, tem o poder de mudar radicalmente o quadro, até para que inocentes não pereçam, mas, nada faz à respeito.

Diferentemente de manter - se em silêncio para não piorar um problema, sabendo que é o melhor que pode fazer para ajudar a evitar vítimas inocentes. Também evitando constrangimentos desnecessários. 
Assim, como também há momentos em que ação é requerida e de imediato, sem a qual, não há como evitar prejuízos maiores, para si e para outros.

Ser capaz de diferenciar esses momentos é uma questão de maturidade aliada à sensibilidade. Duas coisas que se aperfeiçoam com o tempo, caso assim deseje. Pois, há aqueles que pensam ser Peter Pan, e que nunca terão de amadurecer, retardando seu processo de evolução pessoal, o que acarreta na sua frustração profissional. O que é indesejável para a maioria das pessoas.